Orange is The New Black merece 5 estrelinhas

A televisão nos moldes em que se encontrava meio que coordenava a nossa forma de assistir as séries, não é mesmo? Ou você adquiria os DVDs ou Bluray, ou você era obrigado a acompanhar uma série somente no horário que ela passasse. Maratona mesmo, só se o canal se animava a fazer ou se você já tivesse comprado todo o material.

LEIA MAIS +

Anúncios

Mitos e considerações sobre as verdades apresentadas em Adventure Time

Adventure Time ou Hora de Aventura, como conhecemos aqui no Brasil, é uma série animada bastante interessante e talvez uma das melhores dentre as que atualmente estão em exibição. Ela conta a história de Finn, o humano; e Jake, o cachorro; na fantástica Terra de Ooo.

Para elaborar minhas considerações sobre o que aparece na animação, eu vou tentar não parecer aquela gente louca que fica falando das mensagens subliminares dos desenhos da Disney ou então a mãe da Carrie de Carrie, a Estranha, uma religiosa louca que acreditava que praticamente tudo era pecado. Vou tentar enumerar o post, mas apenas para falar de cada aspecto, a numeração não é nenhuma colocação sobre nada.

LEIA MAIS +

Girls: Ainda não assisti, mas deveria

Vocês tem aquele programa ou série que está somente adiando para assistir, ou que todo mundo já falou que é a sua cara? Eu acompanho pelo menos 10 séries e é bem difícil colocar mais uma para acompanhar. Mas às vezes vale a pena…

Outro dia, conversando na redação, um dos meus colegas disse assistir à série “Girls” e que trata-se da vida de 4 garotas de 20 e poucos anos que estão ralando para dar certo em Nova York. A série é protagonizada por Lena Dunham, uma garota que tem apenas 26 anos. Ela criou a série, escreveu, dirigiu e protagonizou. Essa menina tem sido encarada como um prodígio da televisão americana, levou alguns prêmios Emmy, o Globo de Ouro de melhor série e de melhor atriz (trabalhar com séries de TV acaba me fazendo saber de todas essas coisas).

LEIA MAIS +

Séries mais legais que estrearão em 2013

Como estou trabalhando com séries de TV, estive agitando vocês no Twitter com algumas novidades, as estreias para 2013. Vou fazer uns breves comentários sobre cada uma.

1. Ripper Street: é a série que pretende contar a história do famoso serial killer Jack, o Estripador. É na verdade uma minissérie inglesa, protagonizada por Matthew Macfadyen (sim, o lindo que fez o Mr. Darcy de “Orgulho e Preconceito”). A temática é interessante, e embora seja uma história que já foi contada demais, talvez a ótica inglesa dos anos 2010 sejam uma promessa das mais legais. Ah, “Ripper Street” já estreou na Inglaterra, no fim de dezembro.

LEIA MAIS +

O que eu realmente penso sobre as séries

Para quem não sabe, me tornei redatora de um portal de notícias, para o blog de Séries & TV deles. Tem sido uma experiência ótima e estou aprendendo muitas coisas sobre blogs que os meus quase 4 anos de VeryJess não me proporcionaram. Lá eu até posso ter alguma opinião sobre as séries, mas atacar agressivamente como eu gosto de fazer aqui é algo que eu evito. Mas isso não significa que eu não tenha opinião. Algumas séries eu comecei a ver justamente por causa do meu trabalho e mais ou menos sempre sei o que está rolando nas principais séries.

Pois bem, eis o que vocês não me verão falando no site, sobre…
1. Once Upon a Time: alguém por favor, tira aquela jaqueta de couro vermelha da Jennifer Morrison? Sério, este negócio de usar só a mesma roupa o tempo todo é em desenhos animados. A jaqueta é bonita, mas agora já está cafona, já que ela não tira nunca. E em que realidade o seu pai é o Josh Dallas e você consegue olhar no fundo dos olhos dele e não pensar em bobeira? Além disso, acho sonífero esse lance de reaproveitar contos de fadas para fazer filmes/séries com os efeitos especiais da tecnologia de hoje.

LEIA MAIS +

Algumas inverossimilidades e críticas sobre Dexter

Dexter, o serial killer favorito de quem acompanha séries, já tem hoje 6 temporadas e chegamos ao fim de mais uma trama intensa. Se você não assistiu até a sexta temporada, episódio 12, não aconselho a prosseguir com a leitura, pois este texto contém spoilers.
Dexter na berlinda.
Então agora passarei a uma lista de inverossimilidades e/ou críticas a respeito deste seriado que admiro muito, mas que não é de todo tragável.

1. A inconsistência do papel da LaGuerta: alguém lembra que na primeira temporada ela dava em cima hard do Dexter? Que sempre que eles ficavam sozinhos, aconteciam aqueles momentos constragedores e pior, ele não sabia como fugir, por se tratar de sua chefe, mas não tinha pretensão alguma de corresponder aos calorosos impulsos da porto-riquenha? Então, a partir da segunda temporada, os roteiristas decidiram que a LaGuerta tinha superado o lance com o Dexter e tinha se tornado uma mulher mais profissional. Simples assim. Ela continua sendo bitch de todas as formas, mas parou por aí.

2. O grande noivado de Debra Morgan e o Ice Truck Killer: Tive que pegar o episódio da primeira temporada para contar exatamente quantos segundos durou o grande noivado da Debra. E foram exatamente 120 segundos minha gente! Tempo suficiente para o ITK arrastá-la para dentro do barco! E ela conta deste grande trauma da vida dela: “porque eu fui noiva de um serial killer”; “eu te entendo, pois eu fui noiva de um assassino”; “você não sabe o que é se imaginar casando com o ITK”. Tem coisa mais porre que isso? Francamente gente, o noivado durou alguns segundos, e ela conta como se ela tivesse preparado todo o enxoval e já tivesse escolhido o vestido para o casamento? Sério gente, a Debra que é uma mulher tão forte, fica repetindo isso o tempo todo, como se tivesse sido um relacionamento profundo e ela tivesse visto no Rudy o cara que ela quer passar a vida inteira (coisa que ela sequer considerou antes do noivado). BITCH, PLS!

3. Recuperação rápida do trauma de Lumen intestinal: A quinta temporada é ótima, apesar do grau de antipatia de Lumen, que quando foi encontrada e salva por Dexter, parecia ter se transformado em uma menina-lobo (cá estou eu revivendo a Amala e a Kamala novamente). Enquanto a Debra nunca se recuperou do seu extenso noivado com o ITK, Lumen demorou só algumas semanas para superar o fato de que apanhou e foi estuprada repetidas vezes por diversos homens. Pois é, depois de tanto trauma, há quem pense (eu) que uma garota provavelmente demoraria uma vida para encostar em outra pessoa novamente, mas resiliente que só ela, Lumen tem uma noite de amor com o Dexter, porque, com amor né gente, a gente nem lembra de estupro. Mas se Jordan Chase brincasse de falar “tic tic tic”, ela já ficava alterada, histéria e nervosa como se tudo tivesse acontecido de novo. Oi?
4. Harry, nosso almirante Ackbar: já caiu no óbvio que quando o Harry começa a discordar das atitudes do Dexter, é porque este mocinho está numa cilada, correto? Aí você fica pagando para ver o Dexter discordando e ao mesmo tempo fica naquele eterno sentimento de filme de terror: não faz isso!!!!!!1111ONZE

5. Masuoka perdendo a pose: e então na sexta temporada o Masuoka não é mais o pervertido com piadinhas nojentas? Quem é este cara sério? Cadê o humor do seriado?

6. Dexter garoto boa praça: Na primeira temporada, Dexter deixava bem claro que era necessário agradar às outras pessoas e ser gentil com elas, pois, mesmo não sentindo nada por elas (já que é incapaz de sentir algo por alguém), ele precisava disfarçar esta deficiência. Então ele sempre chegava com rosquinhas, era gentil e falava com as pessoas. Hoje ele chega e vai direto para o seu laboratório, sempre muda a tela do computador quando alguém chega, não gosta de papo nem nada. Será que ninguém desconfia do geek introspectivo e insocial? E sério, se toda vez que eu entrasse naquele laboratório, encontrasse o cara com a proteção de tela, sem nada aberto e olhando para a porta, não iria conseguir pensar boas coisas dele.

7. Astor e Cody: Provavelmente os roteiristas já se encheram dos conflitos internos da Astor e da fofura do Cody e decidiram que para o Dexter, estas crianças não importam mais. Não importam mais a ponto de perder totalmente o vínculo? Estava caro renovar o contrato das crianças?

8. Freebo: Para um serial killer que tem prazer em dar lição de moral na hora de matar as pessoas que ele pega, que tem todo um ritual de deixar uma sala preparada para isso e que prepara o corpo para adequadamente ser descartado em uma corrente marítima, o que para vocês explica a existência da terceira temporada? A família Prado era feita de 3 caras estúpidos: Oscar, Miguel e aquele irrelevante bêbado (que nem vou googlear para lembrar o nome). Dexter entra na casa de alguém sem ver se a pessoa está sozinha (?), usa uma faca em vez de sua habitual seringa (?) e erra o alvo (?). Quando ele percebe que matou a pessoa errada, ele fez a mesma cara que eu fiz quando rasguei o sofá da minha mãe acidentalmente, não obstante eu tinha 5 anos. E então acontece uma temporada inteira baseada em uma cagada que alguém limpo e meticuloso comete como se tivesse tido um derrame naquele momento… Dá para entender por que o Dexter não conseguiu matar o Little Chino de primeira, mas sair matando estranhos?
Quem morreu não muito depois desta cena?
9. O afogamento do Nick: Para quem não tem sentimentos, como nos foi apresentado na primeira temporada, Dexter morrer de raiva do Nick a ponto de afogá-lo foi intenso, hein? E isso provou que novamente ele se descaracterizou fazendo uma execução podrinha (se for podrinha, eu nem vejo o episódio) e também provou ser o cara mais sortudo da cidade: em Miami não tem ninguém na praia à noite, nenhuma única testemunha!
10. Dexter sendo pego: depois de executar Jordan Chase no lugar exato onde a polícia teve pistas e quase ser pego, este serial killer do barulho resolve aprontar altas confusões e executar Travis Marshall em um lugar onde ele avisou às pessoas que estaria? Sério, Dexter poderia ter sido pego na segunda temporada, ou na quarta, de tanta besteira que arrumou, mas ele avisar às pessoas onde estaria e ficar surpreso de ser encontrado? Até na quinta temporada teria sido mais plausível sendo pego, mas qual Hitler que não aprende com história, decide arriscar DE NOVO? Se era pra todos saberem, desse check-in no Foursquare, para todos os colegas policiais comparecerem, né?

11. Debra animal: Pega um pega geral? Esta não é bem uma crítica, mas é mais um comentário sobre algo que acho engraçado: quando estão todos achando que Debra é uma das pessoas que conseguiu conquistar a confiança do agente especial Lundy, na verdade, eles estão é saindo juntos! E então na terceira temporada ela pega um informante, para na quarta voltar com o Lundy, que morre, só para contabilizar mais um entre os traumas de Morgan. Então na quinta, depois de tanta estupidez, Debra chega à festa do Harrison de mãos dadas com o Quinn! E como ela daria uma ótima manchete para essas Ego da vida, na sexta temporada ela quer, nada mais nada menos, que o seu próprio irmão! Srsly gente, eu pensei que ela acabaria ficando com o Matthews, mas não, ela conseguiu surpreender! Minha previsão para 2012 é que a Debra descubrirá sua bissexualidade e termine então com a Laguerta.
Acho que já foram 10 bons argumentos, se eu lembrar de algo mais, darei um update na lista. Gostaria muito que os fãs da série aparecessem para discordar de mim e assim debatermos as idéias. Apenas lembremo-nos que discordar é o ato de não ser de acordo com alguma coisa. O ato de xingar a mãe alheia ou se sentir ofendido por ouvir algumas coisas se chama briga, e é muito deselegante para um blog como este.

Top 5 Bad boys dos seriados

Todo mundo já ouviu aquele ditado que fala “os bonzinhos só se ferram” (tirando o palavrão), não é mesmo? Parece que o mau caráter e o fato de não se importar e pisar é o que deixa as garotas enlouquecidas, certo? Claro que este texto não foi direcionado a nenhum bad boy, pois eles tem mais o que fazer (estraçalhar corações) do que ficar lendo meu humilde bloguinho. Então vamos ao que interessa:
[Atenção meninos, este não é um post para meninas, é para quem gosta de seriados!]
 
O engraçado do bad boy é que os caras querem ser como ele e as mulheres querem estar ao lado dele, por incrível que pareça. Que tal falarmos de alguns badboys inesquecíveis das séries? (apesar do título, a ordem  está totalmente aleatória, galera)
 
1. Jess Mariano de Gilmore Girls

Me joga no Google, me chama de pesquisa!
Com 17 anos, foi entregue pela mãe ao tio, para ver se este dava um jeito no garoto, pois não há o que o endireite. Jess não estuda, não gosta de trabalhar e ainda caiu nas graças de Rory Gilmore, a linda nerdinha dos olhos azuis de Gilmore Girls. Aí você pensa, o que uma garota prodígio como a Rory pode ter visto em um vagabundo destes? Bom, ele é vagabundo, mas tem suas vantagens: é lindo, tem uma voz apaixonante (eles sempre têm..) e é um poço de cultura. Sabe tudo sobre Dieckens, ouve Björk, enquanto o namoradinho lindo da Rory, Dean, é um bom moço, mas Jess é avassalador, um cara interessante…
 
2. James Sawyer, de Lost

Te amamos desde amanhã, Sawyer!
Na verdade seu nome é James Ford, ele carrega o nome Sawyer, pois um dos seus objetivos de vida era vingar a morte dos seus pais, e Sawyer é o nome do culpado, segundo ele. James começa na ilha de Lost já sendo inimigo de todos e obtendo vantagens sobre todos. Impressiona com tudo, as madeixas louras, as covinhas em seu rosto quadrado, os olhos verdes, o corpo de Ken da Barbie e atitude em excesso. Sawyer é corajoso, é protetor e faz coisas boas, se importa com as pessoas, mas não faz questão de deixar as pessoas com uma boa impressão a seu respeito, o que fez dele *nobre*.
 
3. Alex Karev de Grey’s Anatomy

Estúpido, prepotente, começa em Grey’s Anatomy como o médico que se sente Deus, e por isso não ganha a simpatia de todos ao seu redor. O encanto de Karev está em ser aquele sujeito que ninguém compreende e que todos detestam, mas que não deixa uma mulher passar ilesa ao seu lado. Aos poucos no seriado, você vai descobrindo que seu comportamento arisco é mais uma cicatriz emocional da sua vida familiar, do que a própria vontade de ser bad boy e fazer as garotas sofrerem.
  
4. Gregory House de House M.D.


Irritante, insistente e intrometido, estas seriam as qualidades de House. Inteligente, genial e inovador, estes seriam seus defeitos. Não entendeu? House é o tipo de médico que não ouve seu superego quando o assunto é salvar uma vida e faz de tudo por um paciente, inclusive passar por cima das leis. Ele é a mesma pessoa com os que lhe são queridos, planeja coisas apenas para descobrir quais são os sentimentos das pessoas e faz coisas que parecem ser irritantes, mas no fundo ele apenas quer ajudar as pessoas a superarem seus medos e dificuldades. É muito amor e muito monstrinho nestes olhos azuis!
 
5. Chuck Bass de Gossip Girls

Um anjinho, só que ao contrário.
Seu caráter acusa não se importar com ninguém além de si mesmo. As damas são tratadas apenas como objetos, e você pensa: o que esse idiota tem além de beleza e muita grana? É simples, ele passou a vida toda tentando se redimir de ser o culpado pela morte de sua mãe (ela morreu quando ele nasceu, se você entendeu do que eu estou falando, eu estou na 5ª temporada, não dê spoiler pra galera ;)) e tentando conseguir o apreço do pai. Carente de pai e de mãe, o jovem Charles Bass se vê cercado apenas de dinheiro e de um mundo em que as pessoas estão pouco se importando de ele não tem o amadurecimento emocional que todos trouxeram de casa, pois ele nunca teve um lar. Já enxugou as lágrimas? O lindo tem coração, apesar de já ter trocado a namorada por um hotel e ter traído-a com sua arqui-rival…
 
E então galera, qual é o favorito de vocês? Ele não está na lista? Contem nos comentários! 

Call 911: Médicos de seriados, qual o melhor?

Bom, já deu para notar que nós do VeryJess somos loucas com séries, correto? Sempre estamos falando de How I met your mother, Grey’s Anatomy e tantas outras, afinal, assistir séries é muito amor. Este post é baseado neste gostinho por séries, e no meu conhecimento das 6 temporadas de Lost, 7 de House M.D. e 7 de Grey’s Anatomy.
Vocês vão observar que é necessário passar por alguns traumas para que você seja um grande médico, ou não, e isso só é balela de seriado inverossímil e empolgado XD
Acho necessário avisar que este post contém SPOILERS.

Vamos aos nossos médicos:

Dr. Derek Shepherd

Seriado: Grey’s Anatomy.
Especialidade: neurocirurgia.
Instrumentos: um hospital com equipamentos de última geração.
Status de relacionamento: divorciado, casado com a residente gatchenha.
Relacionamento paterno: seu pai morreu em um assalto quando ele era criança.
Atributo físico: Mr. Blue Eyes & amazing hair (sério, até os homens querem aquele cabelo)


ainn

Qual é a sua graça? Adora pegar casos impossíveis e inoperáveis.

Segue abaixo como o Dr. Shepard encara a vida de neurocirurgião:
– Dr. Shepard, meu filho tem um raro tumor no cérebro.
~vê o exame e percebe que o tumor está trançado com tudo o cerebelo, o nervo óptico, o hipotálamo, com minha mãe, com meu pai e com você~
– Não posso operar isso, a cirurgia é uma sentença de morte.
– É por isso que vim até você, você é o melhor.
– Não posso operar isso, é inoperável.
– Tente.
– Não dá.
– Dê um jeito.
– Não.
– *-*
~senta e encontra um meio mirabolante de operar algo inoperável e de fazer algo NUNCA ANTES VISTO NA HISTÓRIA DA MEDICINA~
– Senhoras e Senhores, esta é uma bela noite para salvar vidas.
~paciente é salvo sem sequelas~
Freaking out moment: Derek pirou quando deixou uma interna inexperiente brincar com o cérebro de uma paciente, o que levou à sua morte. Aí ele foi para o meio do mato, ficou morando no trailler, só bebendo cerveja e claro, como todo homem doido e que está sofrendo, sem fazer a barba.

Dr. Jack Shephard

Seriado: Lost.
Especialidade: neurocirurgião.

Instrumentos: um kit de primeiro socorros que estava no avião e água do mar (para quem não sabe, o seriado acontece em uma ilha).

Status de relacionamento: divorciado, a fim da piriguete da ilha.

Relacionamento paterno: pai médico e alcoólatra, sempre deu trabalho.
Atributo físico: forte, só isso explica alguém que foi buscar o corpo do pai em um enterro, cair numa ilha e só ter camiseta regata para usar durante ANOS.
Qual é a sua graça? Por ser o único que pode ajudar as pessoas quando o assunto é saúde, ele também resolveu assumir o papel de líder do grupo, como se este papel lhe servisse de alguma forma. Ele aprendeu na profissão a ter o papel de Entei, e achava que poderia cumprir isso na ilha, quando ele sempre foi o primeiro a surtar.

Qual sua vantagem sobre os demais? Por incrível que pareça, o Jack tem: ele sabe quando parar. Nem o House nem o Derek conseguem suportar a morte de um paciente, enquanto Jack conseguiu aceitar que quando o Boone morreu, ele já tinha feito tudo o que era possível para salvá-lo.

Freaking out moment: depois de voltar da ilha e ninguém mais pedir a opinião de Jack a respeito de nada, e ele chegar no hospital e ter equipamentos e todos estarem bem, vivendo suas vidas, Jack começou a surtar com sua irrelevância, e então eis a frase que virou meme: KATE, WE HAVE TO GO BACK!! (ele falava para a personagem Kate Austen, que também viveu na ilha com ele). E claro, barbudo também, o que mostra que homem quando surta para de se cuidar, mas se você mulher fizer isto, você ficará nojenta e ninguém irá querer te ajudar, ok?

Dr Gregory House

Seriado: House M.D.
Especialidade: nefrologista e infectologista.

Instrumentos: sua equipe, os médicos que fazem os exames e tratamentos e até invadem casas de pacientes, e seus métodos pouco convencionais de tratamento.
Status de relacionamento: divorciado, abandonado pela namorada, ninguém-me-ama-vo-mi-matá, casado com uma imigrante desconhecida para fornecer a ela o GreenCard.
Relacionamento paterno: foi criado pelo padrasto que, segundo ele, nunca o amou de verdade e por isso cresceu emocionalmente manco. O verdadeiro pai dele foi um affair de sua mãe.
Atributo físico: aqueles olhos azuis + cara de poucos amigos que fazem com que eu, você, a Cuddy, Foreman e a Cameron apaixonemos! Além da mancadinha que virou marca registrada.

Qual é a sua graça? House é aquele monstrinho sarcástico, seco e estúpido que você tem vontade de matar, mas é inteligente, então você curte pra caramba! Ele consegue desvendar os casos mais complexos sempre infringindo a lei, o código de ética, ou então deixando médicos e pacientes submetidos a escolhas muito difíceis, o que faz sua mente pirar enquanto assiste. A tirinha abaixo resume como é a vida no hospital.

A questão é sempre: faça algo ilegal ou ele/ela MORRE.
Freaking out moment: Anos de vicodin, o suicídio de um ótimo médico de sua equipe e a morte da namorada do seu melhor amigo fizeram nosso amigo surtar e começar a ter alucinações. Isso foi bom, pois mostrou que House é humano, que sofre como os outros. Ter a licença médica suspensa e ir parar em um centro de reabilitação deu uma nova cor ao seriado. Não teve o lance da barba, pois ele nunca ligou pra fazê-la mesmo, cara de louco ftw o/

E então, qual o seu favorito dos três, House ou House?