Top 5: Melhores namorados da ficção

O dia dos namorados está chegando aí e nada melhor do que estar ao lado da pessoa que você ama. Na verdade, as sazonalidades não são norteadoras dos nossos atos (ou não deveriam ser), portanto, estar ao lado de quem amamos é sempre bom (menos se você estiver descumprindo alguma ordem de restrição hein… Brincadeira!).

LEIA MAIS +

Ela não perdoa, ela não esquece…

Não, não estou falando do filme O grito. 
 
Sim, mais uma vez um post derivado das obras da Jane Austen. Mas você, homem, 110% testosterona, que acha que Orgulho e Preconceito é coisa para meninas açucaradas, leia este post e por favor, invalide meus argumentos.
Se você garota, não leu todos os livros da famosa escritora, não se preocupe, são tantos nomes que isso nunca será spoiler para você.
Vamos analisar 3 casos:
John Willoughby de Sense and Sensibility 
 Moço bonito, conquistador, fantástico, sensível, leitor de Shakespeare, sabe conversar. Tudo de perfeito, mas guardava um segredo: engravidou uma adolescente. Final do seu lance com a mocinha: desistiu dela para casar com uma mulher rica.
Henry Crawford de Mansfield Park
Nem tão bonito, mas muito charmoso, rico e sabe flertar como ninguém. Defeito inicial: gosta de fazer as moças se apaixonarem por ele (just for the lulz) e deu em cima de uma moça comprometida. E então ele encontrou a mocinha perfeita, nobre, cujo caráter ele nunca mereceria. Ele mudou? Mudou, é uma boa pessoa, quer fazer bem e quer ser merecedor do seu amor. Mas ele mudou mesmo? Não, no menor dos impulsos fez a moça comprometida (então já casada) fugir com ele!
George Wickham de Pride and Prejudice 
 Lindo, tenente, muito bom na arte do flerte. Passado negro: após a morte do Mr. Darcy (pai do lindo tudo-de-bom Mr Darcy), gastou todo o dinheiro que ganhou deste com festas, bebidas e mulheres. E então, interessado no dote de Georgiana Darcy (irmã de Mr. Darcy), deu em cima desta, e desistiu de tudo quando soube que não levaria nenhuma grana, caso contraísse núpcias com a mocinha. Então deu em cima da heroína também, mas como não pode sustentar por muito tempo suas mentiras, fugiu com a saidinha da família, a.k.a. Fácil, by Jota Quest, Lidia Bennet. A vida lhe deu várias chances de não ser este garanhão, e mesmo assim ele não mudou!
E então agora eu me pergunto: será mesmo que ninguém merece uma segunda chance e que ninguém é capaz de se arrepender dos seus erros? Se assim fosse, então não podemos confiar em ninguém, a não ser que tal pessoa seja 100% irrepreensível?
Estive falando com a @anaspol a respeito do final de Mansfield Park, pois dos três moços apresentados, a situação de Henry Crawford é a mais lamentável. Será que eu sou muito crédula nas pessoas ou acabo de encontrar mais um motivo que explica por que Jane Austen morreu solteira?

Cadê meu Mr. Darcy?

Todo indivíduo que já assistiu ao filme Orgulho e Preconceito, ou leu a obra que levou à sua produção (Pride and Prejudice, da escritora Jane Austen) sabe que o que toda garota deseja é encontrar um Mr. Darcy. 
O que talvez você não saiba ou não se recorde, é que ao mesmo tempo em que o Sr Perfeito Príncipe Encantado é apresentado, também conhecemos o Mr. Wickham, Mr.Collins e o Mr. Bingley. Quem são eles? Ou melhor, o que eles representam na vida real? 
Mr. Wickham
Não deixe esses olhos claros te enganarem, É CILADA BINO.
Aquele cara lindo que te encantou com toda a conversa mole de como você é fofa e seus cabelos são lindos. Não tem quem não ache ele o cara perfeito, mas isso à primeira vista. O problema é que se você for saber um pouco mais, descobrirá que ele é pra lá de irresponsável, tem um monte de coisas que por serem vergonhosas, ele oculta, e ainda mente pra caramba. Sabemos que eu e você conhecemos vários e vários Mr. Wickham. Instável, ele não procura ser uma pessoa melhor, ele está somente atrás de uma boba capaz de cair na dele para ele se aproveitar.
Mr. Collins
Confessa que eu seduzo com este chapéu!
Não é bonito, não é interessante, não sabe conquistar, é apenas aquela coisa que roboticamente ficará te perseguindo e que por possuir uma auto-estima muito boa, ele sente que é um favor feito a você ele ter te escolhido. Como ele se sente um príncipe escolhendo uma plebéia, nada mais natural do que ele te tratar como presa já conquistada e achar que algo em seu caráter chato pra caramba faz você se derreter. 
Mr. Bingley
No livro ele não é tão lindo-maravilhoso-perfeito assim.
Super simpático, divertido, uma pessoa responsável, boa e até bonito. É  uma companhia agradável, porém é aquela coisa: não tem muito conteúdo. O bom de um garoto como este é que ele é tão bonzinho que serve como massa de modelar, ele vai fazer tudo o que você pedir, portanto você pode agir como agente transformador de caráter até (e eu friso ATÉ) que ele te tenha por conquistada. Depois de ter te conquistado, a luta por ser interessante ou por lhe agradar pode até continuar, mas não será mais tão intensa quanto no começo. Fora o fato de que, já que ele é tão influenciável, não sonhe que só você tenta influenciá-lo, afinal, sempre tem uma irmã legal, ou, indo para a realidade, uma mãe que quer ter o bebê dela por perto para sempre pronta para aproveitar dos benefícios do caráter do filhinho!
E se o cara não se encaixar em nenhuma dessas características? Ele é automaticamente o Darcy? Não gente, ou o cara é um pouco de cada um, ou simplesmente é um tipo não ilustrado aqui =)
Mr. Darcy
Não me olha assim, SEU LINDO.
Vamos babar nele: homem com cara de homem, com jeito de homem, lindo, porém não se aproveita desta característica como o Wickham. Bom caráter, sério, discreto, centrado, e que corre atrás do que quer. É uma pessoa responsável e que qualquer um pode atestar ser uma pessoa boa, confiável e que só cultiva vínculos de ouro. É dono de si, sabe conversar, tem conteúdo, é interessante. Coraçãozinho esse dois esse dois, amo muito.
Bom, antes de você pedir este último modelo embalado para viagem, o motivo deste post não é só discutir o comportamento masculino. Não podemos ser injustas com os garotos e dizer que nem 90% deles é digno de nós. E então você pergunta: não podemos? Sim, não podemos, pois o pretexto para iniciar esta discussão veio desta tirinha, gentilmente apresentada pelo @eduardomps:
Fonte.
Eis o tapa na cara que a realidade nos dá, não é mesmo garotas?
Queria uma Elizabeth Bennet, fui lá e só tinha Charlotte Lucas.
Pois bem, essas coisas são divertidas para quebrar conceitos. Mas a conclusão do post é algo que vocês já leram, aqui.
Enquanto isso, que tal mudarmos de postura, abrir a boca e dizer:
– Mr. Bingley, VOLTA AQUI QUE EU MUDEI DE IDÉIA!