O desespero por atenção no Facebook

Não sei como funciona com vocês, mas se eu não filtrasse a minha timeline e não desse unsubscribe em metade dos meus contatos, eu nem entraria no facebook. E mesmo assim, muitas vezes eu entro e meus olhos sangram. Sangram porque:

  • Tem menina de 8 anos que cansou de correr atrás e agora aprendeu a dar valor a si mesma;
  • Meninas belas de 15 anos tiram fotos no espelho, curvadas num ângulo de 45 graus, para dar ênfase ao busto e à bunda;
    LEIA MAIS +
Anúncios

O que é o Last.fm? (parte II)

Na semana passada falamos um pouco sobre o Last.fm neste post. Se você curte música e internet, vamos continuar a falar desta rede social que traz muitos recursos para você curtir melhor a sua banda favorita: 

O entrevistado de hoje é o Clovis, e agora o post é todo dele:

Meu nome é Clovis Macêdo (assim sem acento mesmo), moro em Recife, sou estudante e meu Last.fm é auto_reverse


1. Que tipo de música você curte?  Sou um cara bastante eclético mas escuto preferencialmente rock alternativo e seus derivados mais pop, além de música nordestina em geral, forró e brega. Minhas bandas preferidas são White Stripes, The Smashing Pumpkins, Arctic Monkeys, The Strokes, The Killers, Franz Ferdinand, Adele, Amy Whinehouse, Pearl Jam, Radiohead, Red Hot e por aí vai!


2. Para você, qual é a função do Last.fm? Particularmente sempre usei o Last.fm para definir meu gosto musical, acho super úteis as tabelas e charts divididos cronologicamente. Hoje em dia, que muita gente conhecida tem, serve pra saber um pouco o que se passa na cabeça da pessoa e talvez entender como ela é observando artistas, álbuns e canções preferidas. 

3. Você utiliza o scrobbler? Acho o software bem simples e usual e basicamente me serve para fazer o scrobbling (ohh nomezinho estranho, viu) das minhas músicas preferidas quando estou no computador ou então a partir da função que me permite registrar as últimas faixas executadas no meu iPod. Dificilmente uso como rádio, já que perdi o costume desde que criaram limitações para usuários gratuitos há algum tempo, o que me fez perder o interesse e encontrar outros cantos melhores.


[Jess: vou falar um pouco dele para vocês no final da entrevista]

4. Você sabia que existem algumas faixas disponíveis para download no Last.fm? Já baixou alguma música lá? Acho uma das possibilidades mais bacanas e ainda pouco explorada pelas bandas mais famosas, já que hoje em dia temos um fatia do mercado baseada em vendas no iTunes. Sou de uma geração que pegou o ”fim” dos discos em vinil, conviveu com o apogeu da venda de cds e que hoje se entregou definitivamente ao download de discografias inteiras em blogs ou por meio de torrents, logo, ter canções ou álbums completos no Last é uma função que agrada bastante (seja pra stream como também pra baixar).

5. Como você fica sabendo se algum novo álbum do seu interesse foi lançado? O Last.fm já serviu para te informar isso? Dependendo de cada gênero musical eu tenho uma fonte diferente. A música alternativa ainda se baseia no boca a boca feito entre amigos ou por meio dos blogs especializados (nacional ou internacionais), newsletters ou feeds de sites oficiais. Os outros estilos tem uma divulgação mais massiva seja nas ruas, televisão ou outros veículos e, com a ajuda do Last, consigo não só descobrir um pouco da história de um novo cantor e/ou grupo mas também encontrar artistas parecidos e traçar alguma ligação com meu gosto musical. 

6. O que o Last.Fm tem de bom como rede social? Você indicaria alguém a fazer sua conta lá?  No começo, eu não o encarava tanto como rede social mas como já mencionei anteriormente, hoje que muitos já tem um número de execuções bem avançadas dá pra comparar as afinidades com alguma segurança e me relacionar com as pessoas pelo gosto musical, mesmo não sendo o único requisito pra interação. Eu indico o site sempre que possível, pois o considero o melhor para os viciados em música, pois além do uso básico, ainda é possível saber informações sobre eventos, ver vídeos, ler opiniões das pessoas ao redor do mundo e usar aplicativos que integram meu gosto a blogs, sites e outras redes sociais

Foi um prazer participar do blog e ser entrevistado 🙂 

Jess: agora eu tomo a palavra, e o prazer foi todo nosso! Obrigada pela colaboração!

Para você que interessou, você encontra o Scrobbler para baixar aqui, e ele insere no seu perfil do Last.fm todas as músicas que você ouviu, quantas vezes ouviu e a partir do perfil musical extraído destas informações, o Last.fm lhe indica mp3 gratuitos, faz recomendações musicais e até lhe informa de álbuns lançados. Fora que no próprio Scrobbler você pode adicionar a música que estiver tocando como sua faixa favorita.

Eis o visual do programinha:


Se você se interessou, faça a sua conta na rede, clicando aqui.

O que é o Last.fm? (parte I)

Você gosta de música? E gosta de internet? Que tal uma rede social sobre isso?

Então, o Last.fm é uma rede social para quem curte música, e não é uma rede nova, mas além de apresentar para os meus leitores sua utilidade, também entrevistei um usuário hard da rede para que você saiba mais a respeito, afinal, você pode estar lá e nem estar utilizando-a ao máximo. Vamos lá!
O entrevistado da vez é o Johnnys, agora passo a palavra a ele:

Olá Jess, sempre um prazer participar do seu blog. (:

Bom, eu tenho 23 anos, sou de Fortaleza, sou auxiliar de escritório e meu last é gimmeamusic.

1. Que tipo de música você curte? Eu gosto de música pop, mpb e um eletro e algumas ramificações dos mesmos. Eu curto muito Christina Aguilera, Alanis Morissette, Jay Vaquer, Paulinho Moska, Sia e mais alguns q eu não vivo sem.

2. Para você, qual é a função do Last.fm? A função do last.fm é vc ter uma noção do seu gosto musical, através dele eu sei o que eu gosto de escutar, eu me baseio sempre pelo last pra poder dizer o que eu escuto. Pra mim o last.fm só existe por causa das tabelas.
3.Você descobriu mais cantores/bandas com a rede? Descobri alguns poucos cantores por causa do Last.fm. Norwegian Recycling é um exemplo, ele disponibiliza a maioria das músicas grátis, que na verdade é um projeto de um cara q praticamente faz um mashup de músicas e torna uma música só com uma melodia incrível e renovada. Vale a pena!
4.Que tipo de pessoa é seu contato lá? Eu não tenho bem um filtro no last.fm, é a única rede q eu não escolho quem eu aceito, se me adicionou eu aceito a solicitação, acho q os amigos lá não influem em nada, é mais uma rede pra descobrir o SEU gosto musical e não pra fazer amizades.
5. Você utiliza a rádio social? Eu utilizo a rádio, a princípio eu usava no trabalho pq não gosto de jogar muito arquivo no meu computador de lá, então eu usava só a minha rádio, depois do tempo de experimento eu me vi na obrigação de virar um assinante, então a rádio me serve em qualquer lugar, em qualquer gadget e computador eu posso escutar o que quero sem ter q ter os meus arquivos armazenados.
6. O que o Last.fm tem de bom como rede social? Você indicaria alguém a fazer sua conta lá? Como eu disse antes, eu só vejo o last pra quem é curioso musicalmente, tanto pra saber do seu gosto musical ou pra organizar na sua cabeça (OI?) o que você escuta. E pra quem vai além da curiosidade, rola stalkear aquela pessoa também, ela pode estar online e invisível pra vc HAHA.
Eu super recomendo a rede pra quem é louco por música, louco mesmo, daqueles q não vivem sem e q escutam música todo dia, é muito foda dizer: Ah, eu gosto mais de artista X do q Y, pq eu escutei esse 3x mais.

[Jess] E gente, a coisa de stalkear é verdade! O Last.fm conta para você quem está ouvindo e o que está ouvindo no momento. Então quando o Johnnys disse que dá para saber se a pessoa está online é porque se a pessoa está offline para você, mas seu last.fm acusa que ela está ouvindo música, é sinal de que ela está no computador… Ou então pode ser meu caso que deixo alguma música tocando e vou tomar banho, comer, viver a vida e quando me dá na telha eu venho para o pc!

Se você se interessou, faça a sua conta na rede, clicando aqui.

E para você que está curioso, aguarde até a próxima semana, pois falaremos mais do Last.fm em outra super entrevista!

Agradeço ao querido Johnnys pela participação! É um prazer revê-lo aqui 😉

Galera indica: Tumblrs

Agora com o Plus, temos uma ferramenta legal para todos participarem com mais de 140 caracteres, não é mesmo?
Então reuni a galera para fazer a indicação de alguns tumblrs legais, para dar uma diversificada na Dashboard da galera. Não sabe o que é Tumblr? Clique aqui e entenda.
Pois bem, eis as dicas da galera: 

Foto do perfil de Marta Preuss

Marta Preuss – Meus favoritos:

Video game nostalgia -> sempre tem prints de jogos que eu adoro e até notícias vez ou outra.
 
Yes, but no -> é muito legal ver as exceções às regras – fora as vezes que me encaixo nelas.
 
Little things -> coisas gostosas do dia-a-dia :3 

Foto do perfil de Fernando de Souza

Fernando de Souza – Spiderman Spiderman: Peter parker já foi um cara “normal”.



Foto do perfil de Tácia SouzaFoto do perfil de Ana Spoladore

Gosto do Gold Rush, ele posta umas fotos interessantes.



nerds? Aqui mesmo 🙂



Foto do perfil de Jessica Veridiana

Jessica Veridiana – A minha dica é o 182-blink , é de uma guria provavelmente americana, que está sempre por dentro dos memes do momento. Além disso, posta muuitas imagens legais de filmes.


Fuck Yeah Dementia eu acho que é obrigatório seguir, é a coisa mais nonsense e divertida que já vi.


Spektorology é para quem ama a Regina Spektor. Cada pedacinho dela reproduzido infinitamente.


E você, tem alguma dica para dar? Para participar dos próximos posts, basta ficar ligado no meu twitter ou então me circular no Plus 😉

Se for add deixa….OH WAIT

Lembra do famigerado anúncio  deixado por todo mortal na rede social em experiência de pós-morte,  “só add se deixar scrap”? E isso servia para…? Óbvio, para que a pessoa te lembrasse de onde você a conhece, pois as pessoas até então usavam redes sociais para manter contato com seus amigos, colegas e parentes, e não queriam estranhos tendo acesso às suas fotos e informações pessoais, certo? E claro, dando uma ênfase especial às fotos.
Antes de tudo, as pessoas iam aos eventos e só tiravam fotos do que fosse memorável: formatura, casamento, aniversário. Com as câmeras digitais, as Casas Bahia e suas prestações a perder de vista e a TekPix, a câmera que só não está postando neste blog agora, pois ainda não a programei para isso (minto, não tenho uma), o ato de tirar fotos não implicava gastos mais, portanto fez com que toda a mágica desvanecesse para dar lugar a um novo ato: a futilidade. Foto do barzinho com os amigos, foto de aulas na faculdade, foto no banheiro, na sala, no quarto, foto de perfil em rede social, foto de tudo. Mas com o tempo, a futilidade também tomou forma e utilidade. Com as fotos você pode dar personalidade à sua vida virtual, fotografar acidentes, ou ter noção de como está o trânsito em Recife, sendo que você mora em Porto Alegre, e só soube disso pelo Twitter. Twitter, chegamos aonde eu queria. 
O relacionamento nas redes sociais não são sempre os mesmos, embora no início tendiam a ser. 
Orkut, onde tudo começou?
Nem fale nada, você tinha BuddyPoke QUE EU SEI.
No Orkut, você queria adicionar só quem você conhecia, para mostrar suas *fotos* do fim de semana, trocar idéias e os famigerados scraps, além dos depoimentos (aquela rasgação de seda, em que todo mundo ama todo mundo, todo mundo é fantástico, lindo e tal). A questão não é a inclusão digital, a questão não é gente infeliz fazendo fake  de cachorros. Você saiu do Orkut pois o serviço não lhe satisfazia mais, ou você é só um zumbi sem opinião que segue a correnteza e faz com que alguém na foto abaixo tenha ~ bilhões de motivos para rir. 
E o Facebook…
Mark rindo enquanto pode, será?
No Facebook você adiciona seus amigos, e com o botão do like, pode interagir com eles na timeline, em que todos comentam, e por isso a febre toda em volta da rede social (na qual eu não tinha mais de 20 amigos há 2 anos atrás). A interface clean conquista, os social games e os eventos também.
Me segue que eu te…
No Twitter quem você “adiciona” não necessariamente “adiciona” você. Você não necessariamente quer falar com seus amigos, pois o que você quer é entretenimento, notícias, dar risada, discutir assuntos e se expressar o máximo que dá em 140 caract…  Portanto, não importa se você segue um estranho, ou alguém que nunca falará com você. Não importa para a pessoa se você é legal ou o que você fez no fim de semana, a única coisa que importa é que rolem tweets de interesse para quem segue. E claro, se você quer compartilhar fotos, existe o Twitpic, e também tem o Twitcam para aparições ao vivo, um serviço deveras famosinho.
E o Tumblr?
No Tumblr, assim como no Twitter, é a regra de seguir e ser seguido, portanto, não é uma real amizade. Aliás, não é um real nada. Você segue alguém que você pode não fazer idéia de quem seja, você não sabe de onde a pessoa é, você não quer saber, você nunca mandará um reply para a pessoa, pois nem tem como fazer isso (no máximo uma pergunta na caixinha Ask, isso para os usuários que a deixaram ativa). Simplesmente não é amizade, são likes e reblogs e assim a máquina funciona e você vicia. E você gosta das pessoas e nunca saberá a idade delas, ou conseguir o msn (igual pode rolar no Twitter), pois o que interessa são likes e reblogs, memes e comemorações, imagens que você nunca veria em outro lugar da internet.
Você está olhando para David Karp, o criador do Tumblr. E se você for garota, você está olhando há mais de 10 segundos.
Aiaiai, o Google +


E o Google +, Jess? Bom, ainda estou na exploração do Google +, e posso falar a vocês que, assim como no Twitter, Facebook e Tumblr, se você restringir suas conexões a contatos da vida real, você pode perder o melhor da coisa. O G+ misturou aquela coisa linda que era o Google Buzz, em um lugar em que você pode postar de tudo, usar o Gtalk (sem automaticamente adicionar contatos que você adicionou ao seu círculo), e brincar de Hangout com a galera (é ótimo!). E pegou o melhor do Twitter e Tumblr: quem você adiciona não necessariamente virou seu contato, e só se tornará se ele te “circular” também (sim, lá você coloca as pessoas em círculos). O seu fim de semana pode ter sido super legal com a galera, então tire uma foto e poste no Twitpic ou no Instagram, pois estamos ficando sem tempo para olhar tantas fotos, já que o conteúdo não pára (enquanto você está dormindo, sua timeline do Twitter e dashboard do Tumblr estão acontecendo e você está perdendo tudo: pense nisso)
A minha dica seria: não faça do G+ o seu querido diário, e procure por usuários interessantes, você pode até adicionar seus amigos, mas faça um círculo que valha a pena acompanhar. Você não é um cachorro adestrado, vá atrás do conteúdo e pare de procurar o Orkut em toda rede social em que você entra. 

Twitterland: a terra da censura

“Embora nada pudesse ser mais polido que seu comportamento para com Elinor e Marianne, na verdade lady Middleton não gostava de nenhuma. Como jamais a elogiassem e às crianças, não podia admitir que tivessem boa formação; e porque gostavam de ler, imaginava-as satíricas, talvez sem mesmo saber realmente o que isso significava; mas não tinha importância. Era uma censura que estava muito em moda e se fazia indiscriminadamente.”

Extraído de Razão e Sentimento de Jane Austen, tradução de Ivo Barroso.


Com base nesta citação, falarei das censuras que estão na moda. Assim como Lady Middleton, todos nós temos a forte inclinação em censurar o próximo nas atitudes que cremos serem dignas de exposição na berlinda. No Twitter, não poderia ser diferente, e desde 2009 pude acompanhar os “guardinhas da ditadura in” e claro, já fui guardinha, não obstante, já levei multa (não me pergunte onde, mas não posso admitir que sou irrepreensível, pois ninguém é). Afinal, não é ser cool, cult, problogger, wtf, é estar na situação certa e criticar quem estiver na errada/censurável. 
Os fariseus do Twitter já crucificaram (e ao mesmo tempo louvaram):
  • Usuários ‘populares’: sendo esta popularidade alcançada pelos degraus dos scripts de seguidores. Alguém aqui é da época do Funk do Twitter ? #facepalm
  •  As pessoas influentes e formadoras de opinião: Quão esdrúxulo é pensar que um babaca que ganha retweets é formador de opinião?;
  • As infindáveis (e sacais) listas de pessoas fundamentais a serem seguidas: que deveriam ser uma só, já que era sempre a mesma lista, com algumas pessoas de fato ótimas e outras que são apenas da panelinha;
  • Os analistas de mídias sociais: você estava lá e gritou: crucifica-o! pra eles QUE EU SEI;
  • Os probloggers e aspirantes: o porto caiu no adsense e engordou o ego da galera in the deep;
  • As celebridades e pior, as subcelebridades da internet: aí você é obrigado ouvir fofocas sobre celebridades. Lembram do Luciano Huck comprando seguidores com mimos? Se ouvir fofoca sobre celebridade já é em extremo inútil, ouvir fofoca sobre subcelebridade é de sangrar os ouvidos;
  • As eleiçõeszzzzRONC de musas do Twitter, de perfis mais engraçados, de perfis fakes, etc: vamos fazer assim: todo mundo ganha uma plaquinha e uma medalha, todos podem dormir cheios de auto-estima e economizar na terapia, ok?;
  • As engraçadinhas da Twitcam: até criarem o filtro (disponível em apenas alguns aplicativos, mas naõ no Twitter web), era uma verdadeira praga você querer ter timeline quando tinha alguém falando que ia tirar a blusa se conseguisse 1000 views na Twitcam. Para se sentirem queridas, moças, comecem com “não usando o corpo para ganhar uma migalha de atenção”. Se amem um pouco, pls.
  • O CQC: humilde e hipsterly falando: eles eram mais legais antes de serem tão populares na TL;
  • Os nerds wanna be: tenho conta no Twitter, já assisti Pokémon, jogo Paciência no computador, sou *meia* nerd sabe…; 
Btw, isto que é meia nerd.
  • Os cult: a.k.a. “AIEUAMOCAFÉ e faço letras e minha professora doutora falou que uma Clarice Lispector que eu nunca li ou evitava ler é a única coisa que presta, por isso pago de inteligente na timeline, tuitando frases dela”;
  • As whore wanna be: tuitam um mar de obscenidades (que aprenderam assistindo American Pie escondido dos pais) durante o dia, mas chegam em casa antes da meia noite e se estiver com ela, não abraça forte, pois o pai dela disse que abraço engravida.
  • O Lingerie Day: como atitude sustentável, vou economizar minhas palavras e deixar que o leitor imagine a minha opinião óbvia a respeito desta data;
  • Os vloggers Felipe Neto e o Pecesiqueira: colecionar tantos lovers e tantos haters  não é tão simples quanto pensa.  Btw, o PC conseguiu ser um hipster mainstream, o que é algo que dá um nó no cérebro só de pensar.
  • Os dedos leves: essas coisinhas lindas cheias de preconceito, que facilmente confundiram liberdade de expressão com a encarnação da deidade. E além disso tem a burrice de ter avatar com foto, perfil com nome completo e bio com o curso que faz e a cidade onde mora.
  • Os não tá bom: Só porque você não é famoso, não tem fotos indiscretas no twitpic, ego inflado e uns tweets imbecis, não quer dizer que você não esteja em grupo algum. Os “não tá bom” são a turminha do “ah que droga de frio” e dos que rebatem com “ah que droga dos que reclamam do frio” e outras peculiaridades. Também são fiscais de meme, e te avisam quando um meme já perdeu a graça, o que acho incrível e de utilidade pública, deveriam publicar no Diário Oficial da União tweets com este tipo de notificação.
Ainda muita coisa irá rolar até que o Twitter pare de crescer e comece a morrer (se é que isso ocorrerá algum dia). Mas enfim, toda manifestação tem seu período de nascimento, crescimento em fase lag e log, a fase estacionária, e o declínio (conforme gráfico abaixo), que leva para a morte de relevância, que é quando aparentemente a pessoa se torna insignificante, mesmo que tenha dinheiro e seja bonita ou tenha quaisquer outros méritos (a.k.a. voltou a ser importante só para a mamãe, se é que algum dia foi importante para mais alguém). A pessoa nesta fase se torna um tipo de Faustão, todo mundo sabe que existe, mas ninguém mais dá a mínima para o que ela fala.

Curva de Crescimento Padrão, em um sistema fechado.
Ou também uma cobra que engoliu um elefante.
Fonte. 

E para que saibam, o gráfico utilizado corresponde ao crescimento microbiológico, mas também traduz perfeitamente o up & down da Twitosfera.
 
Apenas nos lembremos que censurar nos torna co-participantes da terra da censura, portanto, em nada superiores aos censurados 😉

Sim, isso é SPAM!

Creio que 140 caracteres tem sido pouco para poder expressar a indignação de diversos usuários ao se depararem com alguns convites em sua timeline: conheça minha banda! Siga o meu blog! Te segui, me siga de volta?
Mais uma vez o Dicionário VeryJess de português vem atualizá-los e esclarecê-los a respeito de qualquer dúvida. 

Afinal Jess, o que é spam?

Spam é toda e qualquer propaganda indesejada em local onde não foi solicitada. Aquele e-mail de alguma estranha lhe ensinando a perder 8 kilos em 5 dias é um spam e todo mundo sabe. O que talvez as pessoas não saibam é o seguinte: ir conversar com pessoas que você NÃO segue, para tentar promover algo que NÃO foi solicitado por essas pessoas É SPAM SIM!
Existe um protocolo social que, na minha humilde opinião, é óbvio, porém, parece não ser tão óbvio assim. Se você lembra de uma pessoa e lhe passa um link, você é legal. Se você mendiga ouvintes para o seu MySpace, leitores para o seu blog, seguidores para o seu twitter, etc, você é um spammer. 

Tio, vc tem um RT pra me dar?

E quem é o spammer, Jess? É o filho da mãe que faz o spam. É por causa desse sujeito que você tem que filtrar seus e-mails de links e ícones maliciosos e de informações inúteis. E é esse tipo de sujeito que foi para o Twitter com o fim de: ah, todo mundo é popular aqui, eu quero ser também! (e não estamos falando de bots scriptados, ok? Não confunda as coisas, bots não conversam com você).

Spammers do Twitter tem sentimentos! Sim, é isso mesmo que você ouviu. A pessoa importuna cerca de 500 estranhos por dia com sua propaganda chata e ainda tem sentimentos. Esses dias, uma pessoa que eu não pretendo identificar ou deixar print aqui, me pediu para seguir o blog dela. Eu disse que não gostava de spam, e ela respondeu que as palavras podem magoar as pessoas e que esse tipo de comentário infeliz poderia custar o meu twitter! Isso mesmo gente, eu achei o Don Corleone no Twitter e se eu insistisse em lhe mostrar o quão inconveniente é sua atitude, eu poderia acordar com a cabeça do meu hamster debaixo dos meus cobertores!

Follow back ou eu atiro!

Algumas pessoas terão inteligência para entender que ser mendigo de atenção no Twitter é tão chato quanto o carinha que bate na sua porta para vender coisas e não sossega enquanto você não levar algo. Outras pessoas ficarão ofendidas, afinal, elas são mesmo esse carinha, e nestes casos, pelo menos no Twitter, você tem aquele lindo botão de “block and report for spam”. Vamos usá-lo com sabedoria galerinha, o poder é de vocês!

VAI TWITTER!

Tudo o que você precisa colocar no seu testamento

Discorrendo esses dias com o @alexpopst e lembrando de papos anteriores com o @ciruz, descobri que todo mundo precisa de um testamento.
Vocês lembram do caso da Eloá, que foi assassinada pelo namorado? Mais lamentável do que isso, é expor para o Brasil inteiro uma coletânea de fotos “miguxas” e “duckface” que estavam em seu orkut, que o jornalismo usou para fazer sensacionalismo.

DUCKFACE é tão sexy, não é mesmo? NÃO, não é não.
Você sabe em que condições será a sua morte? Se você será assassinado pela namorada, atropelado pelo Ronaldo Fenômeno ou confundido como um terrorista enquanto está de férias fora do país? Pois bem, se sua morte atrairá as atenções do país inteiro ou só sua mãe e seu ursinho de pelúcia estarão no seu enterro, você nunca saberá. 
Segue abaixo todos os termos que você deve incluir em seu testamento e medidas necessárias para ter uma morte digna, pois você sabe, tudo o que você não teve em vida, você pode pedir na sua morte, sob pena de puxar o pé dos seus parentes à noite, caso eles não cumpram seus últimos pedidos.
1. Assegure sua morte virtual: disponibilize em seu testamento os logins e senhas de todas as redes sociais que você utiliza, para que suas contas sejam excluídas. Não sabe quais são todas? Está na hora de ir atrás disso já. Isso será importante pois as pessoas tem a mania idiota de ficar deixando RECADOS para os mortos. Isso mesmo, você morreu, sua família já está sofrendo o suficiente com isso, e idiotas ficam escrevendo coisas para seu perfil, talvez acreditando que do outro lado da vida a wi-fi funcione bem… 
2. Tranque agora mesmo todas as suas fotos em redes sociais: são as fotos que qualquer stalker consegue ter acesso que a mídia consegue utilizar. Tire aquelas marcações inúteis que aparecem fotos constrangedoras e pare de tirar fotos de si mesmo, sua mãe já te acha lindo(a), SEJA FELIZ E RADIANTE!

3. O msn é um lugar público: pense no msn como uma bailarina do Tchan dançando de shortinho branco e menstruada, tentando evitar acidentes.  Este é o seu grau de vulnerabilidade no msn. Portanto ” ‘Baba olha o que perdeu, baba criança cresceu’ acabou de entrar” não é a melhor coisa que você faz para a sua imagem. Muito menos as fotos em que você expõe que sua auto-estima é do tamanho da sua saia e que a coisa mais profunda que há em você é este decote aí na frente. Conversas do msn podem aparecer em rede nacional um dia, não deixe o LULZ alcançar o seu descanso eterno. Não adianta arrumar seu testamento se você se sabotar no msn. 

Isso, aproveita e tatua a Hello Kitty na testa.
4. Homenagem tem limite: deixe claro que se a saudade é constante, seus amigos e parentes podem fazer coisas lindas por você, como no filme A orfã, rosas foram plantadas sob as cinzas da criança que morreu. Agora camisetas, bolsas, faixas e qualquer coisa que inclua fotos é deplorável. Acrescente um parágrafo único a esta cláusula: nada de comunidades no orkut em minha homenagem. Isso não é amor gente, isso é ser brega, amor é outra coisa.
5. Respeito é bom: o velório e o enterro são momentos solenes. Vivemos em um país em que as pessoas não dão tanta importância aos trajes sociais e convenções sociais, no entanto as coisas tem limite. O @alexpopst disse que não admite camisa do Flamengo no enterro dele. Eu não admitiria crocs. Talvez eu levantaria do caixão só para pedir para que a pessoa se retirasse.
Vai de Crocs?
Fonte.
6. Não deixe nada para trás: se aquela coisa com a voz do Darkwin Duck denominada Fiuk tem uma biografia, por que você acha que não sairá uma sua também? É isso mesmo, dependendo dos motivos da sua morte, suas coisas podem ser reviradas e muita coisa será encontrada, como cartas de ex-namorados(as), diários, coisas NSFW (se você não sabe o que é, mantenha a sua inocência e não google isso), etc. As pessoas podem ir atrás de um bilhete suicida ou qualquer coisa que explique os motivos da sua morte ou que as console pela sua partida. Portanto a medida mais sábia é: acabar com estes arquivos ainda em vida ou deixá-los em um baú trancado e entregá-lo como herança a um amigo que tenha a chave. E claro, amaldiçoar este caso ele não queime tudo =D
A cara de quem não tem idade para ter dublado o Darkwin Duck.
7. Revele os segredos: foi você que derrubou o catchup na toalha bordada pela avó? Ou pior, você tinha um filho com outra mulher? Conte isso no testamento e evite que todos os eventos após a sua morte se transformem em um episódio de Casos de Família.

Bom, seguindo estes passos, a não ser que você vá escondido de seus amigos em um show do Justin Bieber e morra de ataque cardíaco lá, é possível que você tenha uma morte digna e que pelo menos não será motivo de piadinhas mórbidas por muito tempo.

Descanse em paz…. Mas agora não! Continuem aqui, eu preciso de vocês!

Se o Instagram fosse para mptudo

Por incrível que pareça, este novo aplicativo que virou febre na timeline tem um perfil elitizado: o Instagram é apenas para usuários do iPhone. Claro, se for pra fazer coisa pra macfag, tem que ter o exclusivismo que macfag adora, não é mesmo?

E você do seu Android está revoltado com as fotos cheias de filtros e com nego fotografando até a grama e se sentindo o cult? (Eu nem estou, mas já vi os mimimis) Olhe as coisas pelo lado bom, poderia ser tudo muito pior:
E se o Instagram fosse para usuários do mptudo? Abaixo eis as funções extremamente necessárias para o aplicativo: 
1. Filtro para estrias e celulites: dispensando o adobe paint photoshop da galera, você pode tirar sua foto de gatinha da laje e não se preocupar com as imperfeições!
2. Filtros com dizeres à escolha do cliente: FOREVERRR, esse dois esse dois, TiiiAmMud+++
3. Conexão direta com seu orkut: basta enviar as fotos do seu mptudo, que elas já caem na hora no orkut, LINDASSS.
4. Caps lock automático: ESSENCIAL NÃO É MESMO?!?!?!?!?!?!
5. Sensibilidade à espelhos: quando você for tirar sua foto miguxa no espelho, o aplicativo já reconhecerá o espelho e fará as correções de luz necessárias.
6. Sensibilidade à idade: se você colocar no seu cadastro que você é pseudocult ou que é mulher com mais de 35 anos, o aplicativo deixará sua foto em sépia na hora, e com aquela pele de bebê que você só teve enquanto estava no ventre materno. 
7. Timeline: quer coisa mais sem graça do que você postar uma foto e ninguém poder dizer que gostou ou reblogá-la? É claro que vai ter timeline pra galere acompanhar a repercussão e se sentir poderosa e RYCA.
8. Clarice Lispector’s button: Basta apertá-lo e automaticamente uma frase da ilustre escritora aparecerá na sua foto.
9. Gatinho do Shrek’s button: Basta apertá-lo e automaticamente o aplicativo entenderá que você quis tirar uma foto de cima para aumentar seus olhos e disfarçar seu nariz e sua boa. Portanto, ele agirá desta forma:
Uma princezinha, não?
10. Além dos botões Curti e Reblog, também terá o botão: Invejei. Assim quanto mais cliques você obter nele, mais a inveja alheia fará a sua fama!
Sinto-lhes dizer mas tal aplicativo não está disponível para usuários de mptudo AINDA. Se alguma empresa quiser idealizar este projeto perfeito, ele já está protegido por direitos autorais, ok?
Antes que algum hater apareça mimimizando, eis-me aqui, não tenho iPhone, nem smartphone, seus tolinhos…
Btw, o Instagram foi criado por um brasileiro! Vejam aqui.

Agradecimentos ao querido @paulo_mendes_ cujas conversas nerds sempre viram um post =)

O que é o ThreeWords.me?

Threewords.me é uma rede social que pelo visto surgiu há pouco tempo, e possui um intuito muito simples: descrever uma pessoa em 3 palavras. Você faz sua conta aqui  e já pode colocar um background e um avatar bacana e pronto! Basta divulgar o seu link para que as pessoas, mesmo sem ter conta lá, poderem te definir em 3 palavras.

Por que é legal? Você pode saber o que as pessoas acham de você e muitas vezes se surpreender com as respostas. Uma coisa que achei muito divertido é tentar adivinhar quem é que está te enviando as palavras. 

Como eu vejo as palavras? Quando está logado, você clica em Answers e consegue ver tudo o que lhe enviaram. Independente de quem lhe enviou ter logado ou não, todas as respostas são anônimas. Bom, isso não é tão legal, pois às vezes queremos nos identificar, não é mesmo?
Notes: logo abaixo dos campos para enviar as palavras, encontra-se um campo chamado Notes, lá você pode enviar um texto um pouco maior para a pessoa, se você quiser. É até uma boa opção para se identificar.
Novidades: de um dia para o outro as palavras ganharam direito à resposta e a serem deletadas (ae troll, cadê seus pokémons agora?). Outra coisa é que você pode deixar visível as palavras que lhe enviam para todas as pessoas. Bom, eu não aconselho isso, pois diferente do forms, as palavras não aparecem após a sua aprovação, imagina você ver horas depois um ser te xingando lá? Chato né.
O que falta ainda: notificações por e-mail. Assim só entrando você consegue ver o que te enviaram. Mas pelo menos ainda não tem a “política de prostituição de acessos” igual no Formspring.me: neste você recebe um maldito e-mail falando que alguém te enviou uma pergunta, mas no e-mail não fala quem foi ou qual foi a pergunta. Eu acho chato pra caramba esse lance de te obrigar a acessar. 
Falta também poder adicionar contatos: do contrário você tem que ficar lembrando o username de todos os seus amigos para poder enviar palavras a eles.

O que não é legal: sempre, eu digo sempre existirão pessoas para te lembrar que sua vida feliz as incomoda, portanto é claro que sempre vai chegar um loser e querer te falar umas verdades. O ruim é que esses machões e lindas da internet nunca mostram a cara, não é mesmo? Fora que, em vez de perder o tempo agredindo às pessoas, eles poderiam estar estudando meios de se tornar uma pessoa melhores do que as que eles tanto criticam.

Aqui você se compensa por ser um asshole IRL, não é mesmo?
Tudo a respeito desta nova rede social leva-nos a pensar que o destino dela é semelhante ao de tantas outras que foram verdadeiras febres: desuso em menos de 30 dias. Será?
Bom, enquanto a brincadeira está divertida, que tal me definirem em 3 palavras?
Participem também, criem uma conta e entrem na brincadeira =)